domingo, 1 de fevereiro de 2009

Crônica 36: O Problema

Início de ano e muita coisa acontecendo aqui em casa. Movimento intenso. Algumas mesas agitadas. Outras nem tanto. Pessoas introspectivas. Crianças. Cachorros. Todos procuram por mim... Tá certo que alguns preferem suco ou refrigerante, mas esses, infelizmente, não entram nas minhas histórias... É uma pena...
Estou à mesa, acompanhado por um senhor. Trajava terno preto. Gravata preta. Camisa branca. Estava vestido formalmente. Notei que ele não vinha do trabalho ou de alguma reunião, pois se encontrava impecável. Sem uma nervura na roupa. Ele abriu o jornal. Em seguida fechou. Colocou o jornal na cadeira.
O nervoso era nítido. Olhou para mim e pareceu ter preguiça de beber aquele líquido quente. Desistiu. Fiquei ali apenas esperando ser consumido. Isso não aconteceu. Achei estranho, mas tudo bem. Reparei em suas mãos. Estavam trêmulas e úmidas.
Imaginei que algo de grave havia acontecido. A garçonete se aproximou.
- O senhor deseja mais alguma coisa?
- Não, obrigado. Estou esperando alguém. – respondeu delicadamente.
O senhor tinha um ar derrotista. Olhava em volta. Arrumava a gravata. Eu, tão concentrado que estava em seus trejeitos não vi quando outro homem se aproximou e parou em frente a nós.
Quem chegou era jovem. Devia ter uns trinta anos. Aparentava calma. Embora um tanto quanto apressado.
- Olá seu Ronaldo, como está? - falou o recém-chegado.
- Estou bem – Disse reticente. Tentando disfarçar o estado de ansiedade em se encontrava.
- Desculpe-me o atraso... O trânsito dessa cidade ainda vai me deixar louco... Porém, devido à minha demora temos pouco tempo... Vamos ser breves!
- Está bem...
- É o seguinte... Eu sei que o senhor já passou por diversos testes no processo seletivo da nossa empresa. E, deixe-me adiantar, o senhor se saiu maravilhosamente bem! Acima de todas as expectativas! Mas temos um problema...
Quando nosso amigo – candidato à vaga – ouviu a palavra “problema”, arrepiou-se dos pés à cabeça. Deu um gole em mim ainda puro e, a essa altura, gelado. Olhou fixamente para o rapaz e disse:
- E qual o “problema”? – sua testa suava em demasia. Ele não estava mais conseguindo se controlar.
- Então, o “problema” é o seu excesso de experiência...
- Mas a vaga pedia pessoas com idade superior a cinqüenta anos!
- Eu sei disso, mas a nossa empresa mudou o perfil da vaga no decorrer das etapas seletivas. Decidimos que alguém mais jovem, com maior vontade de aprender e ousar traria dinamismo para nós.
- Entendo... – o homem parecia perder a força...
- Fiz questão de vir explicar-lhe o ocorrido para que não fique uma má impressão!
- É... Não ficou uma má impressão... Mas...
O celular tocou. O jovem atendeu e desligou rapidamente.
- Preciso ir. O seu currículo será armazenado em nosso Banco de Oportunidades. Assim que surgir outra vaga com o seu perfil entraremos em contato! Sentimos-nos honrados por seu empenho em fazer parte da nossa equipe!
E com o mesmo ar sorridente e apressado que entrou, saiu. Já quem ficou não sorria. Chamou a garçonete. Pediu outro café. De cabeça baixa - testa e roupa umedecidas pelo suor - deu um belo gole em mim. Dessa vez conseguiu apreciar-me quentinho. Mas não por estar tranqüilo. E sim por sentir-se apático. Fraco demais para pensar. E, nessas horas, um bom café pode ser tudo!




Mariana Primi Haas - MTB 47229 
Fevereiro/2009

7 comentários:

KimdaMagna disse...

Na situação do "muito experenciado"
usaria um pauzinho de canela, mexendo você, lhe dando nas costas ( se é que café tem costas), como forma de descarregar culpas no mais próximo,que a mais das vezes é o mais inocente.
"Um estado evolutivo" por excelência.

xaxuaxo

Toninho Moura disse...

É! Triste mas verdadeiro. Nessas horas um café forte e encorpado faz muito bem!
E o seu café é um ótimo personagem!


Aproveitando, passe aqui no Dicas para conhecer o "Fragmentos de um Romance". Acredito que irá gostar!
Beijão!

Cássio Amaral disse...

CAFÉ A BAUDELAIRE

lápide tatuada na alma
a lowcura é santa
o sonho é um café entorpecente.

Cássio Amaral.

Seu blog tá muito bom. Bão mesmo uai.

Se tiver perfil no orkut me ache lá. (Cássio Amaral).

Um abração e muita luz.

Tally disse...

é estranho um mundo em que saber demais é errado. bem sei. andei ouvindo umas barbaridades, hahaha
beijo

Regina disse...

Má impressão??? Péssima impressão. Quero que essa empresa e esse "selecionador de m..." se ... enrosquem nas suas trapalhadas. E, em tempos de crise, desejo todos falidos, empresa e empregado.
É isso.
Vingativa, EU???

Luiza Pieri disse...

Em tempos de crise...... cada vez mais café......

Bjos Maricota!!!!

Toninho Moura disse...

Oi! O Capitão Ócio "tomou" um café com seu café. Passe lá para ver!
Beijão!