terça-feira, 24 de março de 2009

Crônica 43: A Racionalidade

Eu sei que sou apenas um cafezinho. Que muita gente não presta a mínima atenção em mim. Sou um ser irracional. Ou seja, não me equiparo ao grau de evolução da raça humana. Nem sequer pertenço a uma raça, etnia, credo, ou qualquer outra segmentação societária. Sou só, única e exclusivamente um cafezinho.
Tudo isso é uma obviedade? Talvez. Mas, faço questão de enfatizar tal obviedade. Afinal, tamanha racionalidade dos Homo Sapiens traz maravilhas tecnológicas, constrói casas aprova de terremotos, faz com que a medicina avance cada dia mais... Nada disso eu, cafezinho, posso fazer. Sou o maior entusiasta do único animal racional do planeta.
Porém, quando meus clientes abrem seus jornais. Suas revistas. Seus laptops. Celulares. O que vejo é absolutamente entristecedor. Estou estarrecido com uma das principais notícias da semana: “Mulher bate com cabide em criança de 1 ano e 2 meses”.
Como assim? Foi a pergunta que me fiz. O que aconteceu com o poderoso cérebro humano? Desenhar diversos cabides nas pequenas costas de um bebê. Ele mal nasceu. Pouco freqüentou esse planeta estranho. Ainda nem está adaptado. Não anda com suas próprias pernas. Não come com suas próprias mãos.
Colocam fogo em seu corpo. Em suas pequeninas partes intimas. Raspam e cortam sua cabeça. Deixam marcas. Marcas tão fortes que talvez o tempo não seja capaz de cicatrizar. Talvez esse cabide permaneça rascunhado em sua alma e nem mesmo ele saiba o porquê.
E não é só ele que passa por desafios para permanecer por aqui. O casal Nardoni irá a julgamento popular por atirar uma criança de um apartamento e matá-la. Pedófilos... Pedófilos e mais pedófilos, aparecem todos os dias nos telejornais. Abusos de poder contra crianças. Amantes que para se vingar de suas rivais envenenam os filhos da outra. E por ai vai.
A racionalidade humana está atrapalhando. Fazendo com que esqueçam sua condição de animais. Onde cada espécie cuida de seus pares. Onde os “pais e mães” alimentam e protegem seus filhotes. Onde filhotes perdidos são “adotados” por outros e protegidos.
Que outro bicho pode fazer isso melhor que o único a ter uma máquina chamada cérebro a seu favor? O problema é que essa racionalidade anda tornando o homem egoísta. Cada vez mais egocêntrico. Cruel. E nesses momentos um pequeno e humilde cafezinho, como eu, precisa ouvir explicações como: “ah! Eu bati nele (com o cabide) por que ele chorava demais... No meio da noite... Eu precisava dormir... Ai eu peguei um isqueiro...”
Desastre atrás de desastre. Numa roda viva sem limites. No entanto, termino essa crônica da mesma forma que comecei: Eu sei que sou apenas um cafezinho. Que muita gente não presta a mínima atenção em mim. Sou um ser irracional. Ou seja, não me equiparo ao grau de evolução da raça humana. Nem sequer pertenço a uma raça, etnia, credo, ou qualquer outra segmentação societária. Sou só, única e exclusivamente um cafezinho.



Mariana Primi Haas - MTB 47229  
Março/2009

9 comentários:

meus instantes e momentos disse...

ótimo texto.É muito bom ler voce. Onde o ser humano pode chegar? Onde?
Tenha um belo dia ( sem precisar ver tanta coisa, que com certeza, ainda vem)
Maurizio

Heloisa disse...

Adorei sua cronica, perfeita e atual!! Como sempre se superando a cada semana!! Parabéns!!!
Desejo ardentemente que a "racionalidade" esteja sempre presente no seu dia à dia, no nosso enfim em todos!!Hoje parece que a mesma está em desuso!! Que pena!!
Um café por favor.................

Cássio Amaral disse...

eu presto atenção em vc e tomo café.

abraço.

Regina disse...

Para reflexão: o que será que está por trás todo esse cenário? Seria tudo isso novo, ou apenas estava represado, não publicizado, Que mundo é esse que produz esses sujeitos - vítimas e algozes - seriam mesmo algozes ou vítimas de outras violências?
E... e... e...

William Melo disse...

Já li algumas vezes seus texto e gostei. Gosto também da forma como os divulga.
Espero que alcance uma visibilidade cada vez maior.

Anônimo disse...

Tudo muito cruel.
To com saudades de ti meu moreno<

Anônimo disse...

Poxa cafezinho..que tristeza!!!
Ânimo. Acredite, otimismo.
Neurocientistas dizem muito sobre o Erro de Descartes....(Antonio Damasio especialmente)
Confie numa era de aquários..mas nada de primaveras lindas claro.
A razão e muita racionalidade neste mundo pós mederno estão mudando.. já há indícios da necessidade da emoção na vida do ser humano e em todas as suas decisões futuras.
Você faz e fará parte deste mundo racional...precisaremos de vc mais puro, gostoso, saudável...como todos os alimentos, natureza, clima etc.
Sua sapiência de cafezinho observador, e com um ótimo texto, tem sido importante.
Keep on.

André Lobão disse...

As crianças são as maiores vítimas dessa desintegração do homem.Como bem disse a colega Regina, esse noticiário tá impactando e vira produto de mídia.

Parabéns pelo texto!

Anônimo disse...

De todos, este é o seu melhor texto.